sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Prémio Nobel da Paz atribuído ao activista chinês Liu Xiaobo


Hoje foi conhecido o Prémio Nobel da Paz 2010. Este ano o prémio, que é entregue anualmente pelo Instituto Nóbel norueguês, foi atribuído ao activista chinês Liu Xiaobo “pela sua longa e não violenta luta pelos direitos humanos fundamentais na China”.

O galardoado era um dos favoritos deste ano, tendo dedicado a sua vida a defender os direitos humanos dentro e fora do seu país. O também ex-professor de Literatura de 54 anos passou as duas últimas décadas a entrar e a sair de estabelecimentos prisionais chineses por defender e lutar por uma reforma democrática.
Como todos sabemos, a China que é um gigante económico em grande ascensão(já é a segunda potência económica mundial, logo a seguir aos EUA, continua a ser tristemente conhecida pelo desrespeito aos Direitos Humanos, nomeadamente à liberdade política. Basta lembrarmo-nos do que se passou em 4 de Junho de 1989, na praça de Tiananmen, em que uma série de manifestações pacíficas lideradas por estudantes foram reprimidas violentamente tendo sido mortos  milhares de manifestantes.

Hoje, o percurso Liu Xiaobo valeu-lhe o primeiro Nobel da Paz para o seu país, com o comité a salientar que há muito que acredita que “existe uma relação próxima entre os direitos humanos e a paz”, reforçando que o próprio Alfred Nobel disse que são um pré-requisito para a “fraternidade entre nações”.

Entre algumas nas iniciativas mais conhecidas do agora Nobel da Paz, destaca-se o manifesto que promoveu em Dezembro de 2008 e que ficou conhecido como “Carta 08” – em analogia com a “Carta 77” dos dissidentes da Checoslováquia comunista – e que foi publicada no 60º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem das Nações Unidas. Liu Xiaobo, após ter participado nos protestos da Praça Tiananmen, em 1989, foi já detido várias vezes. Na última detenção, um ano após a carta, foi condenado a onze anos de prisão.

Como seria de esperar, o governo chinês reagiu muito mal à escolha  do Instituto Nobel norueguês, tendo inclusivamente feito algumas ameaças à Noruega. Aliás, o Director do  Instituto confirmou, na semana passada, que um responsável político chinês o advertiu para as consequências que uma decisão destas acarretaria em termos de diplomacia com a China. O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros foi peremptório, em Setembro, ao declarar que Liu violara a lei e as suas acções eram “totalmente contrárias aos propósitos do Prémio Nobel da Paz”. E ameaçou que se o prémio avançasse que os negócios noruegueses na China ficariam em risco, com uma referência directa à gigante do petróleo e gás, a Statoil.

Será que a atribuição deste prémio nobel poderá ajudar a tornar a China um país mais respeitador da liberdade de expressão e dos Direitos Humanos?

Fontes: http://www.publico.pt/Mundo/activista-chines-liu-xiaobo-e-o-nobel-da-paz_1460055
http://pt.wikipedia.org/wiki/Protesto_na_Pra%C3%A7a_da_Paz_Celestial_em_1989

De seguida podem visionar um vídeo que retrata os acontecimentos que ocorreram na Praça Tiananmen, em 1989. Chamo a atenção para o facto de algumas imagens poderem ser consideradas chocantes, pelo que não devem ser vistas pelas pessoas mais impressionáveis.

2 comentários:

Marcos Graça disse...

Olá stor!
Acho muito bem que um Chinês tenha alcançado o prémio Nobel da paz, porque a China tem um pouco de tudo..
Em relaçao ao video, na minha opiniao isto foi mais um dos tristes incidentes realizados pela humanidade.
A reacçao do Governo Chines a esta manifestaçao foi acima de tudo repugnante. "One million Chinese can be considered a samll number" , mas que país é que tem a coragem de dizer isto?

Pode ser que finalmente a China acorde.

Marcos Graça

Eduardo Vales disse...

Parabéns, Marcos, por teres participado no blogue. Espero que os teus comentários apareçam com regularidade neste blogue. ´

Esperemos que a China, de facto, acorde para a questão dos direitos humanos e deixe de ser uma ditadura tão opressiva.