segunda-feira, 21 de janeiro de 2008

A situação dos reféns das FARC na Colômbia

Uribe não afasta recurso à força

Presidente colombiano diz que a sua prioridade é libertar os reféns e “aniquilar os terroristas”

21.01.2008 - 11h14 AFP


Uribe reuniu-se hoje com Sarkozy


O Presidente colombiano Alvaro Uribe, de visita a Paris, reafirmou hoje que a sua prioridade é libertar os reféns nas mãos da guerrilha das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e “aniquilar os terroristas”. Para isso não afasta um recurso à força, medida contra a qual se opõem as famílias dos reféns e o Governo francês.Uribe disse também que vai trabalhar “lado a lado” com o Presidente francês Nicolas Sarkozy, que o recebeu ao final da manhã e que fez da libertação da refém franco-colombiana Ingrid Betancourt uma das suas prioridades diplomáticas.O Presidente colombiano afirmou que vai pedir o apoio do seu homólogo, nomeadamente na criação de uma “missão médica internacional” para cuidar dos reféns. Esta intervenção já foi rejeitada pelas Farc que receiam que seja utilizada para os atacar.“Não podemos negar que, democraticamente, estamos em vias de mobilizar a presença militar” no país, admitiu Uribe à Rádio Europe 1, referindo que os guerrilheiros da Farc passaram dos 30 mil na década de 1960 para os actuais oito mil.Uribe disse estar disposto a negociar com as Farc “a partir do momento em que mostrem uma prova de boa fé” mas depressa acrescentou que os guerrilheiros “nunca o fizeram”.As Farc, em rebelião desde 1964 contra as autoridades colombianas, exigem a libertação de 500 guerrilheiros em troca dos 43 reféns ditos “políticos”. Recentemente libertaram dois reféns em sinal de “reconhecimento” ao Presidente venezuelano Hugo Chávez. Este pediu aos europeus para retirar as Farc da lista das organizações terroristas e o seu país deu-lhes o estatuto de beligerantes.Uribe começou ontem uma viagem à Europa que o deverá levar a Espanha, Suíça e Bruxelas, para obter o apoio dos europeus no dossier dos reféns das Farc.
Comenta o conteúdo da notícia, reflectindo sobre a situação que se vive actualmente na Colômbia.
PS: divirtam-se um pouco com um vídeo do YouTube com um discurso de Hugo Chávez(Presidente da Venezuela) que diz do pior sobre Alvaro Uribe (Presidente da Colômbia) em: http://www.publico.clix.pt/videos/?v=20080121124556

4 comentários:

Vasco PS disse...

Terrorismo en las Americas: FARC

Novamente, nos volta a presentear, professor, com uma notícia cujo tema central é o Terrorismo. O conceito de terrorismo, a palavra em si, tudo o que lhe esteja associado, parece não desaparecer, mas sim, entranhar-se na nossa realidade quotidiana. Ontem falávamos de terrorismo islâmico, de cariz, a nosso ver, religioso. Hoje, estamos perante outro género, que se baseia em ideologias políticas.

Todos nós, e sobretudo, mais recentemente, temos ouvido falar nas FARC ou FARC-EP (Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia – Ejército del Pueblo). Ninguém se esqueceu do rapto de crianças luso-descendentes há poucos meses, nem de Ingrid Betancourt...e muitos outros casos. Este grupo, classificado como terrorista pelo governo colombiano, pelos EUA e pela UE, é uma organização que se auto-proclama como: político-militar marxista-leninista de inspiração bolivariana (mas que grande amálgama ideológica). Em resumo, são um grupo terrorista, que defende o comunismo, tendo uma ala paramilitar (vá-se lá entender esta organização), fundado em 1964 pelo Partido Comunista Colombiano.

Vejamos que, segundo as ideias destes senhores, o que eles fazem, é um meio de lutar contra as classes dominantes abastadas da Colômbia, em defesa do povo rural, indefeso e explorado, contra a ameaça de sempre, os EUA (sim, professor, os EUA, que como sempre, só se metem onde não são chamados), que empreenderam o Plano Colômbia, que aos olhos de muitos, se destina a combater o narcotráfico, aos de outros, procura salvaguardar os interesses das corporações norte-americanas da região, que dominam a exploração do ouro negro (como vêm, novamente, americanos e petróleo...será que não têm capacidade para pensar noutras coisas?).

Em resposta aos motivos apresentados pelas FARC, os EUA contra-atacam, considerando a organização da pior espécie, lutando por algo sem nexo, e para isso, destruindo muitas vidas, seja por extorsões, raptos e tráfico de drogas (lamento informar os membros das FARC, que os americanos, são mais originais e eficazes; na luta pelo que querem, usam alta tecnologia, mísseis, bombas nucleares, isto tudo, claro, com mortes pelo meio...senão qual era o objectivo?)

Uma das maiores acusações que recaem sobre as FARC é a de recrutar adolescentes, senão, crianças, para os seus movimentos de guerrilha, lá longe, perdidos nos Andes. Segundo dados da “Human Rights Watch”, estima-se que cerca de 10 a 20% dos combatentes da FARC tenham menos de 21 anos, num total de aproximadamente 3500 adolescentes. (Neste ponto, combatentes das FARC, voltam a perder para os EUA, que recrutam de forma mais decente; há que ter bons soldados, de carácter firme e arrogância única, para destruir, diz-se por aí, acidentalmente, aldeias inteiras de inocentes, onde vão morrendo mais crianças do que as que andam alegremente pelos Andes de espingarda na mão).

Tendo em conta a notícia apresentada, posso concluir que depois de se fazer um verdadeiro herói, ao resgatar os reféns, o senhor Uribe ainda vai, segundo palavras dele, conseguir o feito glorioso de “aniquilar” oito mil guerrilheiros, nos quais se incluem as tais crianças. Está, com certeza, de parabéns, senhor presidente. É a matar que a gente se entende...não se admire, depois que surja algo como as Forças Armadas Vingadoras dos Bons Guerrilheiros das Antigas Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia – Ejército del Pueblo...(ora deixem cá ver...isto dá uma organização terrorista, chamada FAVBGAFARC-EP; bem, uma sigla fanática, hein).

Bem, a notícia continua...bla bla bla...Hugo Chávez, pois outro que já cá faltava. Enfim, já li algures que o senhor Uribe também tem umas tendências pouco democráticas.
Pobre Colômbia; montanhas verdejantes povoadas por raptores e traficantes de droga; povo pobre e esquecido; presidente extremista, pouco preocupado com a miséria e carestia do seu povo; presidente vizinho armado em herói, pior que extremista; empresas norte-americanas usurpadoras de recursos naturais...um país que faz notícia pelos piores motivos. Sou sincero, já tentei entender muitas coisas, mas nesta situação há pouco para se tentar compreender...há factos, há números, há designações, há ideologias, há morte, há anti-democracia, há miséria, há terrorismo.

NÃO HÁ RESPOSTAS.

P.S. Algumas passagens irónicas deste texto podem ferir susceptibilidades e almas mais sensíveis. Ups...isto era no início, não era? Pois bem...fui um pouco cáustico. Para a próxima, correrá melhor.

Rute Cruz disse...

FARC

As FARC (Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia) é uma organização de inspiração comunista, que utiliza práticas terroristas para lutar pelos seus objectivos.
É considerada uma organização político-militar marxista-leninista. Segundo esta organização, o seu principal objectivo é representar a população rural contra as classes dominantes mais ricas colombianas. Esta organização também se opõe à colonização neoliberal, por parte dos EUA, na Colômbia; à privatização, expropriação de recursos naturais, corporações multinacionais e grupos paramilitares, no entanto as FARC sobrevive da venda de cocaína traficando-a. As FARC argumentam ainda que estes objectivos motivam os esforços do grupo para uma possível tomada do poder na Colômbia, através de uma revolução armada.
A organização foi fundada na década de 60 (1964), como forças militares do Partido Colombiano.
Tanto os EUA, a UE e a própria Colômbia acreditam (têm muitas razoes para o fazer) que esta se trata de uma organização, visto que as suas acções têm como alvo não só o governo mas também civis e infra-estruturas. A mentalidade desta organização é mesmo utilizar a violência e a força como primeiro recurso. Esta organização é considerada uma grande ameaça para a Colômbia e para a sua população e esta presente em cerca de 40% do território colombiano, principalmente nas selvas do sudeste e nas planícies que se localizam na base da Cordilheira dos Andes.
A antipatia manifestada contra esta organização justifica-se pois as FARC sequestraram cerca de seis mil pessoas nos últimos dez anos, mantendo-os em condições desumanas.

Esta situação de crise, provocada pela existência desta organização tem proporcionado um aumento da popularidade do actual presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, tendo em conta que este aproveita tal facto e utiliza uma politica de combate à guerrilha para que se mantenham os ideais índices de popularidade. Álvaro Uribe, assim como os seus antecessores, têm mostrado que as suas medidas não têm sido muito eficazes no combate FARC, pois esta organização ainda continua a ocupar e a controlar quase metade do território colombiano.
Apesar das medidas do actual presidente da Colômbia, para combater as FARC, ainda não terem provocado grandes efeitos este parece que ainda não desistiu, e na minha opinião é o que deve continuar a fazer, para que as FARC não continuem a ganhar mais território nem mais vantagens. Para isso, e como nos transmite a noticia aqui em causa, a primeira prioridade de Álvaro Uribe, é libertar os reféns das mãos da guerrilha das FARC e combater os terroristas. No entanto afirmou também que irá levar os seus objectivos em frente nem que para isso tenha de recorrer à força, o que a mim não me parece muito correcto nem muito conveniente para a situação do país. Se desafiasse as FARC com forças militares, numa tentativa de combate extremo e repentino, isso poderia ser o pavio para que se inicie uma grave e violenta guerra civil. Isto seria bem possível e muito grave para todos os cidadãos colombianos, pois esta organização tem capacidade para cometer as maiores atrocidades e os actos mais selvagens e violentos que se possa imaginar. A minha opinião justifica-se pelo facto de esta organização ser capaz de manter em cativeiro reféns, durante anos a fio, no meio da selva que ocupa parte da Colômbia. Muitos acabam por morrer devido às condições a que estão sujeitos.
Durante a visita de Álvaro Uribe à Europa, este aproveitou para pedir apoio aos governantes europeus, na sua luta contra estas forças de guerrilha que tanto ameaça a Colômbia. O presidente francês Nicolas Sarkozy, já manifestou o seu apoio pela causa.
Quanto ao facto de terem libertado dois reféns em sinal de “reconhecimento”, e do presidente venezuelano Hugo Chávez, pedir aos europeus para retirar as Farc da lista das organizações terroristas, eu simplesmente não concordo com este pedido de forma alguma. De que vale o facto de ter libertado apenas dois reféns, se ao longo de décadas raptou milhares e matou muitos inocentes? Para que sejam considerados como não terroristas teriam de não ter iniciado esta organização, porque até agora não mostrou ser digna de ser classificada com outro adjectivo, a não ser de terrorista. Pelo menos se quisessem minimizar um pouco os estragos que fizeram e compensar de algum modo o país teriam de libertar todos os reféns e prometer que nunca mais o iriam fazer, bem como afirmar não cometer, daqui para a frente, novos actos terroristas, e não apenas libertar dois reféns, ficando à espera de com isso serem considerados inofensivos.

Perante tudo isto posso concluir que a situação actual da Colômbia resume-se como uma situação de grande instabilidade social e de grande ameaça para a sua população, bem como, para quem visite o país. Trata-se de um país que acolhe no seu interior uma maléfica rede de guerrilha e isso não é, nem nunca poderá ser uma vantagem, a vários níveis como podemos todos imaginar. O país sofre com a existência de uma ameaça que lhes provoca medo e lhe oferece restrições em muitos aspectos.

Soraia disse...

Colômbia….terra de marijuana sem fim…

Nem sei o que dizer…esta situação pende um pouco para o ridículo, pois ver chefes de Estado a lavar roupa suja em público é triste. O presidente Colombiano Uribe afirmou que sua principal preocupação é libertar os reféns das mãos da FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), no entanto este movimento de guerrilha só libertará os reféns em troca da libertação de 500 guerrilheiros.

O presidente Uribe diz estar disposto a negociar se a FARC mostrar provas de boa vontade, o que para mim é sinal de (passo a expressão) ” burrice”, porque pessoas deste tipo não têm escrúpulos, bom senso e muito menos boa fé. Se ele está à espera desse milagre é bom que espere sentado, senão vai-se cansar.

Como se não bastasse o presidente colombiano, agora entrou em cena a personagem mais honesta e adepta da democracia que pode existir: o excelentíssimo senhor presidente da Venezuela, Hugo Chávez, que pediu aos europeus para retirarem a FARC da lista das organizações terroristas…Tendo em conta que dois dos valores fundamentais da UE são a democracia e o respeito pelos direitos humanos (algo que não acontece na Venezuela), penso que a resposta é previsível…

E agora respondendo ao meu amigo Vasco… sim, de facto é provável que os EUA tenham intervido com o objectivo de salvaguardar as corporações norte-americanas na região que dominam o ouro negro, mas e se for? Se apesar das intenções económicas que se diz estarem por trás deste Plano Colômbia, os EUA conseguirem ajudar na luta contra o narcotráfico, então que vão em frente, porque sejamos honestos: não são só os EUA que agem com intenções económicas segundo os seus interesses, todos os países agem de acordo com aquilo que lhes convém, pois no capitalismo cada um olha por si.

A Colômbia é um país a que normalmente se associa a droga, o tráfico de narcóticos, tudo o que diz respeito a actividades ilegais…Eis então que aparece a FARC, fundada pelo Partido Comunista Colombiano, que parece ser a salvadora da pátria (que é o hobbie favorito dos comunistas,esperarem pelos momentos de crise para aparecerem como os protectores dos fracos e oprimidos), que lutará até à morte para destruir as classes sociais mais abastadas e proteger os pobres e indefesos…tretas é o que é…se nos lembrarmos que eles recrutam (como disse o Vasco) adolescentes e até crianças para os seus movimentos de guerrilha.

Pobre destino espera a Colômbia, com um presidente que afirma querer matar 8 mil guerrelheiros (incluindo milhares de crianças) e uma rede de tráfico de droga de fazer inveja às Máfias Italianas…

Bem…não sei mais o que dizer…esta situação é revoltante, pois não é mais do que uma “cambada” de dirigentes corruptos e autoritários que se querem armar em heróis e que como sempre o fazem à custa da população.

Enfim, é este o mundo que temos…infelizmente.

Maria Joao disse...

não para responder nem comentar propriamente a notícia, mas para deixar algumas "notas" relativamente as FARC, para evitar más interpretações ou opinões diferentes das reais:

1. Apesar de todos os esforços em sentido contrário por parte do presidente da Colômbia – aluno obediente de Bush –, Hugo Chávez conseguiu uma importante vitória de dimensão internacional com a libertação da Consuelo González e de Clara Rojas, retidas pelas FARC desde há alguns anos. A acção humanitária deu-se a 10 de Janeiro mas estava programada para antes do final de 2007. Por que foi adiada?
A resposta é dada por Clara Rojas: «A presença militar no ponto (de encontro) era o que impedia a operação. A nossa vida estava em perigo», declarou à imprensa venezuelana. Consuelo González confirmou a versão afirmando que os helicópteros (do governo de Uribe) sobrevoavam constantemente a zona, verdade que as autoridades colombianas se negam a admitir.

2. Na sequência desta operação, que confirma a possibilidade de avançar pela via da negociação para resolver o conflito colombiano, Hugo Chávez pediu que se deixe de classificar as FARC e o ENL como forças terroristas, uma proposta que sacudiu muita gente. Trata-te, como é óbvio, de algo de difícil aceitação por parte de Uribe. As primeiras guerrilhas na Colômbia surgiram em 1950 e até Setembro de 2001 nunca foram consideradas «terroristas». Que sucedeu a partir dessa data? George Bush desencadeou a sua guerra contra o terrorismo e o seu capataz colombiano pediu que fossem reclassificadas como «terroristas».


3. VIAJEMOS ATÉ FEVEREIRO DE 2001. PARA ENORME RAIVA DA REACÇÃO COLOMBIANA, MANUEL MARULANDA, LÍDER HISTÓRICO DAS FARC, RECEBEU UM «MEDALHÃO DE PAZ». DE UM LADO TINHA IMAGENS RELIGIOSAS E DO OUTRO UMA INSCRIÇÃO EM LATIM: «NA VERDADE ESTÁ A PAZ». QUEM ENTREGOU O MEDALHÃO AO CHEFE GUERRIHEIRO FOI ANDRÉS PASTRANA, PRESIDENTE COLOMBIANO. NTERESSANTE, MAS NÃO É TUDO. PATRAMA FÊ-LO A PEDIDO DE ... JOÃO PAULO II!! O PAPA A ENVIAR PRESENTES A “TERRORISTAS” DE ESQUERDA??


4. A hierarquia da igreja colombiana não achou piada. Em simultâneo, o arcebispo de Cali denunciou que as guerrilhas eram «hordas sanguinárias fratricidas» e o seu homólogo de Bogotá, agora cardeal, garantiu que a guerrilha efectua «acções diabólicas que é necessário parar de imediato». Mas há padres e padres. Oliverio Medina, sacerdote das FARC declarou que Cuba é «a prova de que o capitalismo não é a panaceia para a humanidade, mas sim o socialismo. Cuba é como uma irmã que brilha com luz própria, digo-o porque vivi em Cuba».

5. Será possível um acordo de pacificação na Colômbia? É indispensável, mas as experiências prévias não são boas e com Uribe as perspectivas não parecem ser melhores. Em 1982, outro presidente colombiano, Belisario Betancourt, iniciou um processo de conversações que, dois anos mais tarde, levou Manuel Marulanda a assinar um cessar-fogo e à libertação de vários sequestrados. Em troca, o governo comprometia-se a respeitar a vida legal de uma nova organização política: a União Patriótica, expressão civil das FARC. Não foi necessário passar muito tempo para ver que tudo terminou numa chacina. Os paramilitares e os sectores mais reaccionários das forças armadas colombianas fizeram o que melhor sabem fazer: FIZERAM DESAPARECER CENTENAS DE MILITANTES DA UNIÃO PATRIÓTICA E ASSASSINARAM 1330 DIRIGENTES, segundo a Comissão dos Direitos Humanos. Estes tempos uribistas não parecem oferecer melhores garantias.

6. Uribe iniciou o seu primeiro período presidencial em 2002. Depois de reformar a Constituição, obteve um segundo período presidencial e já pensa numa nova reforma para terceiro mandato. Já se ouviu os média internacionais dizer que Uribe quer eternizar-se no poder? Parece que alguns podem ser reeleitos sucessivamente sem que a democracia se ofenda. Outros não, mesmo que o povo tenha a opção de convocar um referendo revogatório, opção que não existe noutros países.
Entretanto, sabes quantos foram os jornalistas assassinados – nem vale a pena falar dos que tiveram de fugir do país por motivos políticos – entre 1993 e 2002? Um total de 1300 e só dois casos foram judicialmente esclarecidos. A situação actual não é melhor. No ranking da insuspeita organização Jornalistas Sem Fronteiras, a Colômbia aparece na posição 126 num total de 169 países. Curiosamente, os «campeões» da democracia – Estados Unidos – aparecem em 48.º lugar. Só em 2007, na Colômbia, segundo a mesma organização, foram assassinados três jornalistas e outros 10 ameaçados de morte. Entretanto, na Venezuela também houve um jornalista morto: era bolivariano.