sábado, 23 de fevereiro de 2008

O desemprego nos jovens licenciados portugueses


Cursos de Psicologia dominam lista de diplomados sem trabalho
23.02.2008, Isabel Leiria

Os quase 40 mil licenciados que estavam inscritos no ano passado em centros de emprego são sobretudo mulheres, jovens e da área das Ciências Sociais

A situação varia de escola para escola, mas, olhando para os cursos que mais estão a contribuir para o desemprego, surgem à cabeça formações como Psicologia, Serviço Social, Economia, Educação e até áreas menos previsíveis, como Enfermagem. Só em Psicologia, existiam, em Dezembro de 2007, cerca de mil licenciados inscritos em centros de emprego. Enfermeiros eram para cima de duas centenas. No caso do Instituto Superior de Saúde do Vale do Ave, 49 dos 66 diplomados em Enfermagem no último ano lectivo estavam nesta situação. Os cursos de Direito nas prestigiadas universidades de Lisboa e de Coimbra também não conseguem dar vazão a todas as centenas de jovens que formam anualmente e contribuíram para este universo com mais de 100 desempregados cada. Estes são apenas alguns dos muitos dados que se podem retirar do estudo A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior, divulgado ontem pelo Ministério da Ciência e Ensino Superior. Trata-se do primeiro levantamento de inscritos nos centros de emprego do continente com a indicação (para a maioria da população) do curso e escola que frequentaram. Globalmente, em Dezembro de 2007, estavam registados nos centros de emprego 39.627 diplomados do ensino superior, o equivalente a 4,5 por cento da população entre os 15 e os 64 anos que tem esta formação. O número de desempregados deste nível será, no entanto superior, já que nem todos se inscrevem nos centros. As últimas estimativas do INE apontavam para um valor próximo dos 60 mil. Outras características desta população: são jovens (75 por cento têm menos de 35 anos), inscreveram-se há menos de um ano (75 por cento), estão particularmente concentrados na Região Norte (41 por cento) e são maioritariamente mulheres. Elas já estão em maioria na população geral desempregada, mas a dificuldade em encontrar trabalho parece agravar-se com o aumento das habilitações: a taxa passa de 59 por cento de inscritas sem habilitação superior para 71 por cento entre as que têm esse nível de ensino. Mas, mais do que traçar o perfil geral do desemprego qualificado, o estudo (que será actualizado e divulgado de seis em seis meses) permite perceber quais as instituições e cursos com mais dificuldades de empregabilidade, pelo menos no que respeita a uma inserção rápida. As Ciências Sociais e do Comportamento são as mais representadas: constituem oito por cento do total de pessoas formadas e 13 por cento dos inscritos nos centros de emprego. As licenciaturas em Psicologia contribuem muito para esta situa-ção, encontrando-se no topo da tabela com maior número de desempregados instituições públicas e privadas, do litoral e do interior. Humanidades e Serviços Sociais destacam-se também pela negativa. A Formação de Professores é a área com mais inscritos há um ano (20 por cento). De resto, o estudo também mostra que o desemprego atinge de igual forma os jovens formados no ensino público e no privado, atendendo mais uma vez ao peso relativo de cada subsistema. Já o mesmo não acontece quando se olha para o tipo de ensino, com uma contribuição relativa superior do ensino universitário para as inscrições em centros de emprego, face aos politécnicos. Os licenciados são os mais atingidos pelo desemprego, mas existem ainda 457 mestres e 66 doutorados (0,2 por cento) inscritos em centros de emprego. Apesar da dimensão dos números, o estudo também mostra que a situação para os jovens licenciados não tem piorado. O número de inscritos em centros de emprego em Dezembro de 2007 diminuiu 6,5 por cento em relação ao mesmo mês de 2006. E manteve-se praticamente igual ao valor de Dezembro de 2003. Com uma diferença: ao longo deste período, a população com habilitação superior aumentou 20 por cento, o que "revela a capacidade do mercado de trabalho para absorver os novos diplomados". A dificuldade em encontrar trabalho parece agravar-se para as mulheresquando aumentam as habilitações 75% dos inscritos nos centros de emprego são jovens com menos de 35 anos e 41 por cento são oriundos do Norte

Há 43 mil licenciados a fazer trabalhos pouco ou nada qualificados
23.02.2008

Pelo menos 43 mil licenciados desempenhavam em 2007 trabalhos de baixa qualificação ou não qualificados, como limpezas ou construção civil, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Sem emprego nas suas áreas, dizem-se "dispostos a tudo" para sobreviver. De acordo com números estimados pelo INE com base no Inquérito ao Emprego, 7200 pessoas com formação académica superior estavam, no ano passado, empregadas em trabalhos não qualificados. Vendedores por telefone ou ao domicílio, pessoal de limpeza, lavadeiras e engomadores de roupa, empregadas domésticas ou estafetas são alguns dos exemplos constantes da lista de trabalhos não qualificados, segundo a classificação nacional de profissões. A estes, somam-se mais de 35.800 licenciados em trabalhos de baixa qualificação (nas quais se integram, segundo o INE, categorias como "operadores de máquinas e trabalhadores de montagem", "operários, artífices e trabalhadores similares" ou "pessoal dos serviços e vendedores"). No total, são 43 mil os diplomados nestas situações, mais cinco mil do que em 2006. No entanto, o verdadeiro número de pessoas com excesso de formação para o trabalho que desempenham pode ser muito superior, uma vez que aquele conjunto não abrange os 46 mil licenciados que integram o "pessoal administrativo e similares", uma categoria que inclui empregados de recepção, telefonistas ou cobradores de portagem, por exemplo, além de funções mais qualificadas como escriturários ou gestores de conta bancária."Estão a aumentar os casos de não correspondência entre as habilitações e o tipo de trabalho", disse à Lusa Marinus Pires de Lima, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e especialista em Sociologia do Trabalho. Isto deve-se, por um lado, "ao aumento do desemprego e, por outro, à falta de articulação entre as universidades e o mercado de trabalho". A formação nem sempre corresponde às necessidades, acrescenta. Apesar do número de diplomados por ano ter quase duplicado entre 1997/98 e 2005/06 - atingindo os 71.828 -, Portugal continua a ser o segundo país da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) com a menor percentagem de pessoas com formação académica superior, apenas à frente de Itália. Ainda assim, os diplomados têm cada vez mais dificuldade em arranjar colocação. A taxa de desemprego entre as pessoas com habilitações superiores mais do que duplicou desde 2002 e hoje são quase 60 mil os que não conseguem um lugar no mercado. Fartos de esperar por um emprego condicente com os anos que dedicaram aos estudos, muitos jovens licenciados "arrumam" o diploma na gaveta e dirigem-se a empresas de trabalho temporário, dispostos a aceitar qualquer tarefa por qualquer remuneração. "Cerca de 80 por cento de todos os currículos que recebemos são de licenciados. São sobretudo da área das Ciências Sociais, embora também comecem a aumentar na área das Ciências Exactas", disse à Lusa Sónia Silva, directora da Select, uma das maiores empresas de trabalho temporário a operar em Portugal. Só no mundo dos call centers, onde o pagamento à hora fica em média pelos 2,5 euros, 35 por cento dos cerca de 7500 operadores têm um curso superior.Também nos super e hipermercados são cada vez mais os diplomados na reposição de stocks ou atrás das caixas registadoras. O grupo Auchan, proprietário das marcas Jumbo e Pão de Açúcar e um dos líderes no sector da distribuição alimentar, não foge à regra. Cerca de dez por cento dos seus 7100 colaboradores têm um "canudo"; 270 são operadores de caixa. PS, CDS e BE reagiram ontem a estes números. Consideram que existe, desde há anos, uma desarticulação entre as necessidades do mercado de trabalho e a política educativa. E o deputado do CDS Pedro Mota Soares defendeu mesmo a "publicação de um ranking das universidades pela taxa de colocação de licenciados no mercado". Ana Drago, do BE, afirmou que o problema só tem solução se forem tomadas medidas complementares ao nível da "modernização da própria economia". "Grande parte do que é hoje o tecido económico nacional é muito pouco competitivo, muito pouco modernizado e pouco adaptado àquilo que são as exigências do mercado europeu. Isso tem conduzido a que muitos jovens que têm apostado na sua formação não consigam de facto encontrar emprego."Também o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Jorge Ortiga, defendeu uma maior aposta em políticas de apoio aos jovens que procuram o primeiro emprego: "Criar condições de igualdade de oportunidades para todos deve ser a primeira responsabilidade dos poderes políticos e das autoridades". "A realidade do primeiro emprego é uma situação que me preocupa, porque se trata de um problema nacional", disse, lembrando que o "trabalho é um direito para todo e qualquer cidadão".
Joana Pereira Bastos, Lusa
"Qualquer jovem que aposte no ensino superior está a fazer uma boa aposta"
23.02.2008

Há milhares de diplomados licenciados? Há muitos em empregos pouco qualificados? A culpa é da "gravíssima crise económica" que o país vive, diz Manuel Villaverde Cabral, sociólogo do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. "A culpa não é das universidades."Villaverde Cabral dá mesmo um conselho aos pais dos recém-licenciados: se o filho não arranjar trabalho quando acaba o curso, o ideal - "se a família tiver possibilidade para suportar isso" - é que prossiga os estudos, para um mestrado, por exemplo. Já perder tempo num emprego desqualificado onde não adquire experiência nem conhecimento - e ambas as coisas podem fazer a diferença quando, num concurso, se está competir com outros diplomados - é menos aconselhável.Os números ontem divulgados não surpreendem o sociólogo. Afinal, explica, o sector privado português não contrata gente qualificada e o Estado, pressionado pela contenção orçamental, fá-lo cada vez menos. Qual é a solução? Na opinião do sociólogo, o Governo deve, antes de mais, abster-se de intervir no número de vagas que cada curso superior abre - "o ideal é não se meter de todo". Se não há empregos, "o melhor é deixarem as pessoas tirar os cursos".Villaverde Cabral acredita que "deve ser o mercado a fazer a regulação" - "na Universidade de Lisboa, temos duas faculdades que formam professores que viram o número de candidatos reduzir muito porque os jovens perceberam que não tinham saídas no mercado de trabalho e deixaram de vir". De resto, Portugal está longe de ter licenciados a mais: "Qualquer jovem que aposte no ensino superior está a fazer uma boa aposta, porque ficará menos tempo desempregado e ser-lhe-á mais fácil atingir uma posição melhor no mercado de trabalho." Em média, um licenciado recebe, em Portugal, 80 por cento mais do que um trabalhador com o secundário, revelou um estudo recente da OCDE.
Andreia Sanches

Gostaria de não ter publicado este post, especialmente por causa das duas primeiras notícias e por vocês se encontrarem no final do secundário, num curso de Ciências Sociais e Humanas. No entanto, não devemos "enfiar a cabeça na areia" e fazer de conta que esta realidade não existe. Têm que se consciencializar que o futuro não será propriamente fácil e que vão ter que lutar muito para conseguir vencer na vida. Têm que acreditar em vocês próprios e nas vossas capacidades e com muita determinação e perseverança (e algum sacrifício) poderão atingir os vossos objectivos pessoais.
A última notícia deixa algum optimismo. Mostra que, apesar de todas as dificuldades, é preferível ter uma licenciatura (ou mestrado) do que apenas o secundário. Ou seja, ainda vale a pena lutar. Mas têm que ser muito bons naquilo que fizerem.







9 comentários:

Maria Joao disse...

Muito resumidamente posso dar a minha opinião...


Se houvesse uma planificação este tipo de problemas estaria resolvido.. mais um erro deste sistema ...

The American disse...

Gostaria de deixar qui apenas um comentário rápido e mais no sentido de desabafar sobre esta situação. Os primeiros textos que o professor publicou no blog tem um caracter negativo claro mas realista tal como disse. Não tem que se lamentar porque, como diz, temos que encarar a realidade e essa é muito semelhante com a que diz nos textos. No entanto discordo em certa parte do último documento de Manuel Villaverde Cabral, porque primeiro vê se logo que trabalha numa faculdade e já está com o emprego assegurado (Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa) e depois porque se por um lado grande parte das pessoas que não têm formação superior hoje em dia não se safam no mercado de trabalho, por outro existem muitas pessoas com cursos de electricistas e canalizadores (ou picheleiros como se diz no norte) que ganham muito mais que muitos licenciados e apenas adquiriram conhecimentos básicos ou de outras gerações ou aprendendo em centros de formação sem terem que tirar um curso superior.
Não vou dizer para sermos todos electricistas e canalizadores, estava apenas a dar um exemplo, e também não vou dizer que não vou tirar um curso superior ou para os outros não tirarem porque penso que é importante. Mas o essencial mesmo é gostar do que fazêmos e acima de tudo sermos bons ou mesmo os melhores, porque se formos bons, as oportunidades aparecem-nos. Nem que seja neste país "onde tudo está mau".
Tenho noção que por exemplo o que quero seguir (jornalismo) está péssimo e toda a gente o diz. Geografia, que inicialmente também queria seguir não está melhor. No entanto também sei que como realmente gosto de jornalismo vou lutar até ao fim por um emprego. Mas não aqui de certeza.

Paulo disse...

Actualmente eu vejo a possibilidade de vir a ter um emprego seguro dentro da área da minha preferência, o Jornalismo, apenas como uma luzinha ao fundo do túnel. E para piorar ainda mais a situação, o túnel parece começar a desabar.

Como estudante, profissão que exerci durante os últimos doze anos da minha vida, não vejo de facto no meu futuro muita coisa de bom. Tanto tempo a estudar e a esforçar-me para ter boas notas que me permitissem ir para a Universidade e tirar um bom curso, para quê? Para ir mais um para o desemprego? Mesmo que chegue à Universidade, e esse é mesmo, apesar de tudo, o meu principal objectivo, o que me espera? Mais alguns anos de trabalho árduo para ser recompensado com um subsídio de desemprego? Não foi isso que sonhei para mim.

Toda a gente me pergunta se não sou ambicioso. Claro que sou. Mas estes números são, só por si, bastante elucidativos. Tanta gente a trabalhar em algo que nunca pensou fazer e para o qual não estudou. Há de facto falta de planificação nisto tudo. É então chegada a altura de perguntar. É isto que queremos para o futuro do nosso país? Espero bem que não.

Hoje em dia é dificílimo conseguir um emprego bom e seguro dentro das nossas preferências. E temos de admitir. Nos dias que correm, só se safa quem for mesmo o melhor naquilo que faz, e com toda a concorrência actual, é difícil sê-lo de verdade, até porque não existe ninguém perfeito, ou então se tivermos “bons contactos”. Sim, as tais “cunhas” que tanto jeitinho dão a tão boa gente.

É por estas e por outras que me pergunto. Será que vale a pena? Devo continuar a lutar, mesmo sabendo que tenho fortes possibilidades de vir a perder? Na minha opinião, sim. Se, como dizia o Ricardo, gostarmos realmente daquilo que queremos fazer, devemos lutar por isso, e nada nem ninguém nos deve impedir.
É assim que tenciono fazer. Lutar, lutar o mais que puder, aprendendo pelo caminho que a prática leva à perfeição e que quem não arrisca não petisca. Se assim o fizer, mesmo que não consiga alcançar certos objectivos, pelo menos sei que fiz o melhor que podia, e isso ninguém me poderá tirar.

Para toda a gente que estiver a ler este comentário, NÃO DESISTAM! O túnel ainda não desabou por completo, e a luzinha, ainda que muito ténue, mantém-se viva ao fundo desse túnel. Há algo dentro de mim que me faz continuar, e enquanto essa chama também não se apagar dentro de vós, vocês poderão lutar, tal como eu.
Porque dos fracos não reza a história!

Vasco PS disse...

“Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.”

In Pedra Filosofal, de António Gedeão


Desde pequeno sempre fui muito ambicioso. Louco, me chamaram muitos. Lutador, outros tantos. O mundo não pára de girar, muda constantemente e, em todas as eras, houve momentos de glória e momentos de depressão. Cá para mim, o simples facto de vivermos numa terra chamada “Portugal”, nos incutiu o espírito do povo português, dos últimos 400 anos: a vida é uma desgraça, nós somos uns desgraçadinhos, tudo é uma tragédia, valha-nos Nossa Senhora! Enfim, as previsões de futuro não são realmente muito boas, mas é o sonho que comanda a vida e, enquanto houver jovens e homens que sonhem, todo o mundo pode conhecer grandes mudanças. Pensem só na História da Humanidade e em todas as suas grandes revoluções. Crêem que quando os Portugueses se lançaram no Atlântico, numa tentativa de sobrevivência, em verdadeiras casquinhas de noz, sabiam o que lhes reservava o futuro? Acreditam que quando se fizeram as Revoluções Liberais, alguém sabia se seria possível conquistar-se algo tão simples como a liberdade de expressão? Pensam que durante o século XX, marcado pelas suas ameaças extremistas, guerras e rebeliões, os povos que lutaram pela liberdade sabiam que iam ganhar?

Acordemos. Chegamos ao século XXI, do relógio cristão, e há tanto para fazer! Como disse o Paulo, não podemos desistir. O mundo anda desnorteado...pois bem, podemos dar-lhe um norte. Há, segundo o meu ponto de vista, uma contínua luta entre grupos e gerações. Quem nos antecedeu foi egoísta o suficiente para não calcular o futuro, destruindo o mundo, fechando todas as portas. Não sou pessimista; gosto de me afirmar como sendo realista. Que mundo é este em que vivemos? Que futuro nos espera? Sinceramente, o que tiver de vir, virá. Continuarei a lutar pelos meus sonhos, porque no dia em que deixamos de sonhar, então a vida perde os seus sentidos. Só esta vontade interior nos faz avançar; quando nos fazem cair por terra, faz-nos levantar; quando nos negam a passagem, ensina-nos outros caminhos...A vida apenas está a principiar, para nós, agora. Resta-nos crescer, mudar as coisas e ficarmos de mão dada às gerações mais novas, para que aprendem, não tão tarde como nós, que mundo se desviou de um futuro sustentável.

Paulo, devo admitir que o teu texto reconforta. Ainda bem que há pessoas que ainda lutam, como tu. A vida não espera um segundo e, quanto ao futuro...é agora!

Soraia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Soraia disse...

A verdade nua e crua…

Esta notícia não me surpreende minimamente, pois toda a gente sabe a situação que se vive no nosso país. Nós ao escolher o curso de Ciências Sociais e Humanas, sabíamos perfeitamente as dificuldades que iríamos enfrentar e que provavelmente aquilo que nos esperará será o desemprego…

No entanto, acreditámos que poderíamos contrariar as probabilidades e mostrar que afinal o esforço ainda é recompensado e que quem realmente se esforça e é muito bom naquilo que faz, terá sempre lugar no nosso país.

Agora, também temos que pensar que a maior parte das pessoas queixa-se que não tem emprego, mas também não o procura, não faz nada para o arranjar, acomoda-se, espera que a oportunidade lhe bata à porta. É a típica mentalidade portuguesa, do “deixa andar”.

Podem-me achar sonhadora, mas eu acredito plenamente que apesar de tudo, quem for realmente bom, vai conseguir um emprego na sua área de preferência e terá um futuro brilhante pela frente. Claro que se esta geração decidir que não vale a pena ficar cá e for trabalhar para outros países nada mudará.

Temos de ficar, lutar pelo nosso país, pela nossa Nação, pelo nosso futuro. Temos de mudar as estatísticas, ser empreendedores, lutadores, perseverantes e humildes, pois sem humildade não se chega a lugar algum.
De facto Paulo, tens toda a razão quando dizes que as “cunhas” fazem jeito a muita gente, mas cabe-nos a nós, fazer com que as “cunhas” não sejam um factor relevante ou que impeça a nossa progressão na carreira.

Algumas pessoas devem estar a estranhar este meu comentário, pois todos sabem que partilho o gosto do Ricardo pelos EUA. Mas sabem…este fim-de-semana estive em Espanha e apesar de todas as desgraças, de todas as injustiças, de tudo o que está mal no nosso país, eu estava ansiosa por ver a plaquinha a dizer “Bem-vindo a Portugal”.

Talvez seja um pouco utópico, mas eu ainda acredito que neste país há oportunidade para quem é realmente bom e está disposto a lutar para alcançar os seus objectivos.

Há que fazer sacrifícios.
Há que ser ambicioso.
Há que fazer com que se cumpra Portugal.

“SEJAM REALISTAS, EXIJAM O IMPOSSÍVEL!

Vasco PS disse...

Eu gosto de ser realista. Assim, deixo uma mensagem para todos os meus colegas que caem no sonho do impossível. Desiludam-se; é mais do que difícil alguém da nossa área singrar no estrangeiro. Ou bem que se é bom aqui, ou então não digam que vão para o estrangeiro. Quem quer advogados, jornalistas, geógrafos, educadores de infância, professores, e não sei que mais...
Se, tal como disse a Soraia e bem, queremos ser realistas e exigir o impossível, mais vale fazê-lo neste cantinho à beira-mar plantado. Se quiserem sonhar mais alto, então preparem o paraquedas, que bem vão precisar.

Rute Cruz disse...

Deprimente

A situação não está mesmo nada fácil. Bem pelo contrário, cada vez o cenário piora… E piora a passos bem largos. É lastimável que uma pessoa passe tantos anos a estudar e a esforçar-se para atingir os seus objectivos, e depois quando chega a hora de ter um emprego têm a sensação de que, afinal, tantas pestanas queimadas não servem de nada, pois ninguém está interessado em aproveitar as suas capacidades. É muito triste. Mas temos de ter em mente que nada é impossível e continuar a acreditar. Quem quer muito uma coisa acaba por consegui-la.
É certo que , também é preciso ser consciente e não optar por cursos que não dão futuro a ninguém.

Em relação a tentar a sorte noutros países, acho que essa é uma tendência já há muito praticada. Não estou a favor nem contra, digamos que estou no meio-termo.

RT disse...

Parabéns pelo post, excelente apanhado.
Nada é novo, Portugal no bom caminho...
Só um comentário, compensa mais a um velho tirar um curso superior pelos maiores de 23 anos, do que um jovem se licenciar...Esta país incenciva o não estudo.

Tenho Dito

RT
http://hangover80.wordpress.com/