domingo, 21 de setembro de 2008

População portuguesa envelhece um ano a cada cinco que passam


A demografia portuguesa tem tido uma evolução "preocupante" nos últimos 30 anos e, se nada for feito, a idade média da população continuará a subir linearmente cerca de um ano em cada cinco anos. Esta é a conclusão de um estudo de projecção demográfica elaborado pela Associação Portuguesa de Famílias Numerosas (APFN), que será divulgado a 27 de Setembro no seminário Inverno demográfico: o problema. Que respostas?, a realizar na Assembleia da República. Em declarações à agência Lusa, Fernando Ribeiro e Castro, presidente da associação, recorda que a população portuguesa continua a envelhecer a um ritmo "mais do que preocupante", sublinhando que está na "hora de o Governo tomar medidas para inverter esta tendência, sob pena de irmos pagar um preço muito alto no futuro próximo". Para a APFN, o envelhecimento da população pode ser travado através de uma política que permita às famílias terem os filhos que desejam sem que por isso sejam penalizadas, o que levará a que o Índice Sintético de Fertilidade (número médio de filhos por mulher em idade fértil) atinja os 2.1. Caso contrário, a situação demográfica agravar-se-á ainda mais, elevando bastante a já grande desproporção entre idosos relativamente a jovens e pessoas em idade activa. Segundo a APFN, o Índice de Dependência de Idosos (número de idosos por cada 100 pessoas em idade activa) atingirá, segundo o estudo da associação, um máximo de 48 em 2050. Outro problema reside, acrescentou, no facto de Portugal "continuar a promover o divórcio" em detrimento da promoção da "estabilidade do casamento e dos casais". De entre as medidas "aberrantes" existentes, Fernando Ribeiro e Castro citou o facto de, em sede de IRS, um divorciado poder descontar até 6000 euros por cada filho a cargo, o que é "inadmissível". Um especialista do Instituto de Política Familiar da Europa, outro da Confederação Europeia de Famílias Numerosas, eurodeputados portugueses, sociólogos e deputados contam-se entre os participantes no seminário, cuja sessão de encerramento será presidida pelo ministro do Trabalho e da Solidariedade Social.


  • Até que ponto este problema do envelhecimento da população portuguesa é, de facto, preocupante para o futuro do nosso país?
  • Que medidas (verdadeiramente eficazes) deverão ser tomadas para inverter a tendência de agravamento do envelhecimento da população portuguesa?

6 comentários:

RitaGonçalves disse...

De facto é mais que preocupante como vemos Portugal a envelhecer muito. De tal maneira preocupante que Portugal nem se desenvolve, tanto economicamente como socialmente.
A minha geraçao, a maior parte, hoje nao se quer casar, e, provavelmente nao ter muitos filhos, pois os dias que ultrapassamos hoje em dia, com algumas dificuldades, é muito dificil ter mais que um filho. Ate porque as ajudas nao sao grande coisa.
Eu acho que as familias portuguesas deveriam ser mais apoiadas e ajudadas para incentivar os jovens a casar e ter filhos.
12ºH

MárciaFilipa disse...

Aí está mais um dos grandes problemas que atravessam a nossa sociedade e que muitas vezes são esquecidos pelos nossos politicos e também pela sociedade.
O envelhecimento da população portuguesa está a ser cada vez mais notável com os casais a casarem-se tardiamente porque acabam os seus cursos tarde e muitas vezes têm grandes complicações para arranjar o primeiro emprego, adiando então o casamento e a chegada dos filhos.
Tudo isto irá fazer com que a sociedade não se desenvolva economicamente pois não temos jovens capacitados para ingressarem no mundo do trabalho e com ideias mais originais.Posteriormente, os encargos da segurança social irão aumentar devido ao elevado número de idosos.
À que incentivar a natalidade com ajudas financeiras de modo a criarmos um país sustentável e harmonioso.
12ºH

MariaCosta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MariaCosta disse...

Sim , de facto o envelhecimento do nosso país é uma situação bastante preocupante , pois impede que o nosso país se desenvolva economica e socialmente , este ja acelerado envelhecimento da populaçao portuguesa constitui uma entrave ao nosso progresso , pois a nossa populaçao fica deficitária nos sectores mais jovens e adultos , ou seja , uma falta de mao-de-obra , que agrava os problemas do nosso país.
Esta situaçao deve ser reflectida a ponto de se encontrar medidas que tentem travar este largo avanço do envelhecimento da populaçao portuguesa.
Medidas como: incentivos a famílias numerosas, aumentar os apoios nao só a nível económico , mas tambem na saúde e em todo o percurso escolar e alertar as pessoas para este facto e todas as suas consequencias , podem ajudar a diminuir esta situaçao preocupante em que se encontra o nosso país.

12ºH

Vasco PS disse...

Fico feliz por haver novos comentadores no blogue. Lamentavelmente, tenho tido muito pouco tempo para aparecer por aqui. Desde já peço desculpa ao Professor, mas como sabe, esta nova fase dá trabalho que chegue e o relógio não pára.

Cumprimentos para todos

beatriz disse...

Esta notícia é realmente assustadora!
Basta pensarmos no facto de, num futuro bem próximo, sermos governados por pessoas cada vez mais velhas, sem ideias para fazer rejuvenescer o nosso país e para levar a cabo a nossa cultura, os nossos ideais, e para nos fazer evoluir economica e socialmente.
Assim, é preciso tomar medidas, porque sem jovens, sem crianças e sem bebés a nascerem, a cultura portuguesa acaba-se e nunca mais ninguém se lembrará daqueles que fizeram tantas descobertas que ficaram para a história.

Exemplos de medidas... Bem, acho que é necessário alterar muitas coisas, muitas políticas, e consciencializar um país inteiro. Mas julgo que se houvesse um maior apoio por parte do Estado a TODAS as futuras mães (independentemente da condição socioeconómica) esta situação poderia melhorar muito, porque conheço situações em que a opção de ter mais um filho surge como uma fonte de rendimento e não como algo que realmente se quer, levando a que a criança possa sofrer privações. No fundo deve ajudar-se todo o tipo de pessoas uma vez que todos se constituem como possíveis pais de uma nova geração sempre mais inovadora do que todas as anteriores e com muitas mais perspectivas para o progresso!!!

Beatriz 11ºI