domingo, 6 de abril de 2008


Milhares desfilam em Paris exigindo a libertação de Ingrid Betancourt

Lusa

Ingrid Betancour, feita refém há 6 anos, está em risco de vida com vários problemas de saúde
Gritando frases de ordem como “libertem todos os reféns”, uma multidão de 25.000 pessoas participou na “Marcha Branca” na capital francesa para reclamar a libertação de Ingrid Betancourt, Luso-colombiana que se encontra refém das FARC há já seis anos e com a vida em risco devido a problemas de saúde.


Na capital francesa foram muitos os políticos que se integraram na marcha. A jovem esposa do presidente francês, Carla Bruni-Sarkozy, a Presidente da Republica argentina, Cristina Kirchner, o ministro dos Negócios Estrangeiros da França, Bernard Kouchner, foram alguns dos muitos políticos que se quiseram associar a esta manifestação pela libertação dos reféns das FARC.

A França através da palavra do chefe da sua diplomacia, Bernard Kouchner, garantiu aos manifestantes e ao mundo que nunca iria desistir dos seus esforços de libertar a refém.

“Hoje as pessoas questionam-nos sobre essa missão humanitária tentando saber se vamos desistir” afirmou Kouchner.

Nós não iremos nunca parar os nossos esforços, nunca pararemos os nossos esforços” garantiu o ministro dos Negócios estrangeiros francês á multidão vestida de branco em honra da paz na Colômbia.

Cristina Kirchner, presidente da Argentina dirigiu-se aos manifestantes para fazer um apelo a que se “levantem todos os obstáculos que impedem” a libertação de todos os reféns na Colômbia, sublinhando que “aqueles que devem empregar os maiores esforços são as autoridades democráticas” numa clara alusão ao presidente colombiano, Álvaro Uribe.

"Liberdade! Liberdade para todos os reféns!", gritou o filho de Ingrid Betancourt, Lorenzo Delloye, de 19 anos, que foi aclamado pela multidão. "Que estes gritos de liberdade atravessem o Atlântico e cheguem aos ouvidos do presidente colombiano e das FARC”, rematou o jovem.

Nas manifestações um pouco por toda a França participaram cidadãos, eleitos locais e regionais e outros políticos vestidos de branco. Uma ideia comum a todos foi a da exigência da libertação dos reféns na Colômbia e o início de um verdadeiro processo de paz naquele país sul-americano.

Missão humanitária continua à espera de autorização para socorrer Ingrid Betancourt

A França enviou na passada quarta-feira uma missão humanitária conjunta com a Suiça e a Espanha. Para tentar entrar em contacto com as as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e conseguir socorrer a antiga candidata à presidência colombiana.

A missão encontra-se num impasse tendo a guerrilha colombiana, ontem, revelado a intenção de não libertar a refém aprisionada há mais de seis anos nas matas colombianas.

Um líder das FARC afirmou ontem em entrevista publicada num jornal "inadmissível" a exigência de libertação de mais reféns sem que antes o governo colombiano liberte alguns dos 500 guerrilheiros detidos.

"Não é admissível que nos peçam mais gestos de paz quando, depois de tantas mostras de boa-fé e da nossa vontade política de encontrar saídas para o conflito, nos respondem com infâmias e maledicência", afirmou Rodrigo Granda.

"Todos nos lembramos de que foi um telefonema do governo francês a permitir localizar e bombardear o acampamento de Reyes", afirmou Granda.

O que foi noticiado na altura foi que terá sido uma chamada telefónica do presidente da Venezuela Hugo Chavez para o líder da guerrilha colombiana que terá sido interceptada e permitiu a localização do terrorista e a posterior operação que levou ao seu abate.

O telefonema terá ocorrido no dia 27 de Fevereiro, dia em que foram libertados pelas FARC quatro deputados colombianos (Gloria Polanco, Luis Eladio Pérez, Orlando Beltrán e Jorge Eduardo Gechem), após quase sete anos de sequestro.

Hugo Chávez, emocionado pela libertação dos sequestrados, terá telefonado a Reyes (aliás Luis Edgar Devia) a informá-lo de que tudo tinha corrido bem, conforme assinalou a Radio Cadena Nacional citando "altas fontes militares" colombianas.

Os serviços de informações localizaram a chamada e detectaram que Reyes estava em território colombiano perto da fronteira com o Equador, atravessou-a "e logo veio o bombardeamento", na sexta-feira à noite e na madrugada de sábado, quando foram mortos o chefe rebelde e cerca de 20 outros guerrilheiros.

A guerrilha marxista propõe trocar Ingrid Betancourt e outros 38 reféns a que chama “políticos” dos quais três têm a nacionalidade americana, por quinhentos guerrilheiros que se encontram presos na Colômbia no quadro de um acordo global.

O movimento guerrilheiro tem neste momento sob sua custódia nas matas da Colômbia em local por si controlado, cerca de 2.800 pessoas em conjunto com o Exército de Libertação Nacional (ELN) de inspiração guevarista.

Eduardo Caetano,RTP

2008-04-06 18:28:52

Podem visionar um vídeo da RTP sobre a situação de Ingrid Betancourt em:
http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=337812&tema=31

1 comentário:

Rute Cruz disse...

FARC

Continuam como vemos, a fazer estragos e a carregar de violência e mal-estar quem têm debaixo do seu domínio. Pessoas que não têm nada a ver com a questão, e muito menos com as intenções das FARC, mas que sofrem na mão de malfeitores, porque estão a ser utilizadas como reféns em nome de ideais falhados. Muito há a lamentar quando pensamos que as FARC prejudicam sem dó nem piedade alguma, pessoas inocentes, desprotegidas e com uma vida pela frente, só para conseguirem os seus objectivos. São mesmo muito cruéis e ninguém pode aceitar, e muito menos perdoar aquilo que andam a fazer.

Agora, desta vez, temos conhecimento da situação de Ingrid Betancourt, que como muitos outros se encontra aprisionada nas matas da Colômbia lutando pela sobrevivência, sendo que neste caso esta luta se torna muito mais intensa, pois está a passar por graves problemas de saúde e precisa de cuidados urgentes. Assim, será complicado sobreviver.

Relativamente à marcha realizada em Paris, em favor da libertação de Ingrid Betancourt, concordo plenamente com esta iniciativa, para que chegue à Colômbia, a ideia de que do outro lado do Atlântico, se tem conhecimento e se despreza este tipo de atitudes absurdas das FARC. Existe grande descontentamento em relação a este assunto. O sentimento que tudo isto gera é o de acabar definitivamente com a palhaçada das FARC, que têm a força das armas, mas que de princípios e de valores não têm nada de nada.