sábado, 24 de janeiro de 2009

O Bairro do Aleixo é um inferno


O presidente da Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro, Alberto Lima, defende a demolição gradual no bairro do Aleixo, considerando que «as casas e as pessoas têm que estar separadas».
O bairro do Aleixo, considerado como um dos mais problemáticos do Porto, é um local onde o tráfico e o consumo de drogas acontecem às claras, todos os dias da semana.
«A criminalidade e a impunidade tomam de refém o bairro inteiro e as autoridades evitam entrar», afirmou à Lusa Alberto Lima, que se confessa «desagradado» com a situação. Na opinião do autarca, o Aleixo, que é constituído por cinco torres, cada uma com 13 pisos, e se encontra degradado, «precisa de desaparecer, ser convertido».
«Recuperar o bairro estruturalmente não compensa», disse, acrescentando que a Câmara do Porto devia demolir de forma parcial aquelas torres e construir um bairro novo, mais pequeno, como o de Parceria e Antunes, um complexo habitacional novo, composto por 54 fogos, construído pelo actual executivo, liderado por Rui Rio.

O Aleixo, construído há mais de 30 anos, fica situado num terreno com vista privilegiada para o Rio Douro, numa zona onde, apesar do ambiente que ali se vive, está já cheia de condomínios de luxo.
O presidente da junta criticou o facto da PSP não realizar patrulhas a pé no bairro e aparecer de quando em vez. «A Torre 1 tem um mercado livre e pujante ali instalado, com conhecimento de todos», disse, acrescentando que ele próprio se questiona por que razão o fenómeno acontece ali, daquela forma.
Quando a PSP marca presença no local, disse, «sabe-se que o fenómeno transita, não na mesma escala, para outro bairro, como a Pasteleira ou o Pinheiro Torres». Estes são outros dois bairros localizados na freguesia que lidera que, ao todo, conta com nove complexos municipais.
Alberto Lima frisou que «há concentração de problemas por haver concentração de bairros», sendo que cerca de 45 por cento dos 22 mil habitantes de Lordelo vivem em casas municipais.
Apesar de tudo, o autarca congratula-se com o facto da freguesia ser «muito pacata», onde, na generalidade, as pessoas «são bem-educadas e nada agressivas». (Diário Digital, 08.03.08)




O que pensam das ideias defendidas pelo presidente da Junta de Freguesia de Lordelo do Ouro (Porto)? A demolição do bairro do Aleixo será a melhor solução? Haverá alternativas?

5 comentários:

Telmo disse...

Pelo qe li na notícia, verifiquei que o Bairro do Aleixo é um dos mais perturbadores do Porto.
Como é que é possível que haja tráfico de droga, todos os dias, em plena luz do sol!

Concordo com o presidente da Junta de Freguesia de Lordelo, quando refere que a PSP não está a ajudar, ou seja, nesta zona, tendo em conta os problemas que tem, deveria de haver mais controlo da polícia . ( mesmo que seja 24h sob 24h ).

É realmente uma pena que esta zona seja reconhecida pelos piores aspectos, pois esta zona pertence á Ribeira , á parte histórica do Porto.
E como tal , penso que esta zona não devia ser destrúida.

A Câmara Municipal do Porto, é que se tem de preocupar e deve implantar medidas para tentar solucionar este problema.

Por exemplo, uma delas podia ser a que referi anteriormente ( reforçar a polícia no Aleixo ).

Telmo Conceição
11ºI

Joana Couto disse...

Eu penso que não deviam de pensar só agora neste problemas,mas sim quando alojam as pessoas nestes bairros. É certo que ao aglomerarem tantas pessoas, de classes sociais baixas vai dar problemas.

Assim,espero que no futuro nao aglmorem as pessoas em bairros,sem pensarem nas consequencias, porque agora estas pessoas irão viver para onde? Isto tudo vai criar um descontentamento social..


Mas nunca é tarde para podermos melhorar a nossa cidade..

Fábia disse...

Apesar de todas as noticias que saem nos jornais e telejornais (que concerteza têm fontes verdadeiras) não podemos simplesmente olhar às criticas feitas por autarcas ou presidentes da camara pois eles têm posses para ter grandes casas e até grandes carros incluindo casas de férias etc, enquanto que estas pessoas são mais desfavorecidas muitas delas nem idade têm já para trabalhar, outras contam os tostões a cada dia que passa para poderem alimentar a família e ainda existem aquelas que por muito que queiram trabalhar não arranjam não só pela crise económica que o nosso país esta a vivenciar mas também muitas vezes pelos erros que comenteram no passado (por exemplo terem ido parar a prisão etc), a meu ver acho que é assim que devemos pensar nas coisas porque não são 2 ou 3 pessoas são milhares e são seres humanos que do dia para a noite nao podem ficar sem as suas casas.

Em relação à questão das drogas em plena luz do dia penso que não é espanto nenhum, não é de hoje, nem de ontem, é de sempre.
Se pensarmos bem veremos que estas pessoas muitas das vezes (algumas) são quase como "obrigadas" a ter de recorrer a estes meios (punidos pela lei) para sustentar as famílias , contudo devia ser algo que não deveria existir pois são estes meios que levam muitas vezes à destruição de muitas familias e ao insucesso deste bairro (e de muitos outros).

Em relação ao telmo ter ficado muito espantado com o tráfico em plena luz do dia, não e nada que nao se veja por exemplo na ribeira, na Sé, até em Lisboa isso acontece mesmo ali à frente dos nossos olhos por isso para derrubarem o bairro do aleixo teriam de derrubar muitos outros lugares e bairros, o que levaria á destruição de grandes zonas históricas da cidade do Porto (entre outras).



Fábia Sousa
11º I

Sonia disse...

Como já nos apercebemos o bairro do Aleixo é um dos bairros mais problemáticos do Porto, onde o tráfico de droga, a criminalidade e a marginalidade estão sempre presentes, quer de dia quer de noite; Além disso, já foi construído há mais de 30 anos e a degradação dos prédios é também evidente.

Á que salientar, que nem todas as pessoas que vivem neste bairro são marginais e/ou traficantes de drogas, também lá vivem idosos e pessoas simples, humildes, educadas e menos favorecidas que devido aos baixos rendimentos não têm condições para viver noutros locais, por isso optam por viver em bairros sociais, como este.

Quanto á demolição deste bairro creio que é uma boa opção por duas razões: primeiro, porque as pessoas irão ter melhores condições, caso seja verdade que irão para casas novas ou recuperadas, espalhadas pelo centro do Porto (pois este bairro é composto por 5 torres com 13 andares cada uma, e quase todos ou praticamente todos os elevadores estão estragados e é muito complicado para as pessoas que moram nos últimos pisos) e esta zona será vista de uma outra forma; Segundo, porque como se vê nem a policia consegue ou quer lá entrar, o que significa que tudo tende a manter ou até piorar. Assim com a demolição melhorará, mas o tráfico de droga não acabará, pelo contrário haverá mais, mas de forma diferente, isto é, não estão concentrados num sítio, mas sim espalhados pelo Porto (exemplo na Ribeira, na Sé) e por outros bairros problemáticos, que poderá, se quiserem, ter mais controle.

Sónia Sousa
11ºI

Diana Lemos disse...

Não me espanta que a Policia, não queira entrar no Bairro do Aleixo e muito menos o queira patrulhar, se ele tem assim tão mau ambiente.
Na minha opinião, existem duas opcções que poderam resultar da deslocação dos habitantes do bairro:ou o convivio com pessoas que tenham um panorama de vida diferente, fará com que se apercebam que podem ter um futuro melhor, permitindo à polícia controlar o tráfico de droga, ou então pode acontecer que haja vários locais onde se vende droga e também pode acontecer que os bairros para onde as pessoas que vivem no Bairro do Aleixo forem deslocadas possam ficar com um mau ambiente, deixando de ser seguro também viver aí.

Diana Lemos 11ºJ nº7