segunda-feira, 4 de maio de 2009

Jovens abusam do álcool


Os jovens bebem demasiadas bebidas alcoólicas, e uma percentagem já é dependente do álcool, revela um estudo médico realizado em Coimbra durante a Queima das Fitas.


A investigação, divulgada este sábado, coordenada pela médica Rosa Costa, e realizada em 2008 no âmbito daquela festa académica, conclui que os jovens não consomem apenas excessivamente durante o evento, como têm hábitos alcoólicos preocupantes ao longo do ano.
"Os resultados obtidos permitem tirar a ilação de que o consumo de bebidas alcoólicas excessivo é habitual em 50 por cento da amostra, pois 44,5 por cento foram classificados como tendo um consumo nocivo/abuso e 5,6 por cento foram considerados dependentes", revela a clínica no estudo, divulgado nas véspera do maior acontecimento da Queima das Fitas 2009, o Cortejo dos Quartanistas.
A investigadora acrescenta que "o consumo nocivo/abuso e a dependência foram mais frequentes no sexo masculino e entre os 18 e os 29 anos. Nas idades mais jovens (15-17 anos) foram encontrados sete casos de consumo nocivo/abuso e dois casos de dependência alcoólica".
Na amostra, em que participaram 395 pessoas (68,4 por cento do sexo masculino), com idade média de 22,8 anos (o mais jovem tinha 15 anos e o mais velho 47 anos), pretendia-se determinar os níveis de alcoolemia e avaliar os hábitos alcoólicos e tabágicos.
Realizado no recinto onde decorriam os concertos das Noites do Parque, o estudo consistiu num questionário anónimo e na medição da taxa de álcool no sangue, com recurso a um alcoolímetro.
"O nível de alcoolemia médio foi de 1,2 mg/dl. O valor máximo de alcoolemia detectado foi de 4 mg/dl. Constatei que 71 por cento dos indivíduos tinham uma alcoolemia superior à permitida por lei (0,5 mg/dl), sendo que a maioria pertencia ao sexo masculino", revela a médica no seu estudo.
Quanto aos hábitos tabágicos, na amostra, 43 por cento eram fumadores e, na altura, a grande maioria, um pouco mais de 85 por cento, afirmara concordar com a lei que proíbe o fumo em locais públicos, que havia entrado em vigor três meses antes (Janeiro de 2008).
A maioria (76 por cento) apresentava dependência baixa da nicotina e quase 40 por cento dos fumadores tinham uma motivação moderada/elevada para parar de fumar, acrescenta.
"Face aos resultados obtidos, penso que seria importante, no futuro, como forma de intervenção, intensificar as campanhas de hábitos de vida saudável, e estendê-las por todo ano e não apenas nesta altura da semana académica da Queima das Fitas", refere a médica do Centro de Saúde da Fernão de Magalhães, em Coimbra.
Segundo Rosa Costa, "a intervenção para este grupo deveria ser mais intensiva e prolongada", durante todo o ano, quer quanto ao consumo excessivo de álcool, quer quanto ao consumo de tabaco.
Na sua perspectiva, os próprios serviços médico-universitários poderiam disponibilizar consultas direccionadas à prevenção do consumo excessivo de bebidas alcoólicas, e para desabituação tabágica.
O estudo de Rosa Costa contou com o apoio logístico da associação Saúde em Português e da Comissão Central da Queima das Fitas 2008. (JN, 02.05.09)



O que dizem sobre os resultados deste estudo e sobre o problema do alcoolismo e do tabagismo nos jovens portugueses?

2 comentários:

Suzy Conceição disse...

Infelizmente esta é a verdade, muitos jovens ) e cada vez mais novos= abusam muito do álcool.
Penso que muitos dos jovens bebem para se "mostrarem" um pouco, tal como na razão do tabaco, muitos jovens começavam a fumar porque viam os colegas a fumar ou os próprios colegas os incentivavam a fumar, hoje em dia isto acontece mas em relação ao álcool.

beatriz disse...

O comentário que posso fazer a esta notícia é curto: tudo isto é triste, e uma pena!!!